Previstas para 27 de Julho

Governadores recomendam adiamento do reinício das aulas

Os governadores das 18 províncias do país consideram que não estão criadas as condições para o reinício das aulas do ensino primário e primeiro ciclo, a 27 de Julho, tendo por isso recomendado o adiamento.

Governadores recomendam adiamento do reinício das aulas
D.R
Carolina Cerqueira

Carolina Cerqueira Ministra de Estado para a Área Social

O reinício do ano lectivo constitui uma preocupação muito grande, sobretudo no primeiro ciclo devido aos problemas relacionados com biossegurança, distanciamento entre as crianças e a necessidade da consciencialização das mesmas sobre o risco de terem um convívio.

A decisão foi manifestada ontem durante uma vídeo-conferência, presidida pela ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira. A actividade lectiva foi suspensa em finais de Março, devido à ameaça de proliferação da covid-19. 

Carolina Cerqueira disse, ontem, que o reinício do ano lectivo constitui uma "preocupação muito grande", sobretudo no primeiro ciclo devido aos problemas relacionados com biossegurança, distanciamento entre as crianças e a necessidade da consciencialização das mesmas sobre o risco de terem um convívio.

Estes factores, segundo a ministra de Estado, " recomendam um adiamento no reinício das actividades escolares".

Carolina Cerqueira apontou problemas como a falta de água, infra-estruturas deficientes, falta de pessoal para cuidar das crianças dentro do recinto escolar. Sublinhou que em Luanda, devido à complexidade territorial e o grande número de alunos e escolas, é necessário a criação de condições para que haja higienização e protecção das crianças.

A governante afirmou que vai ser feito um trabalho de auscultação, entre o Ministério da Educação e da Saúde, para uma melhor concertação da forma de implementação das medidas de segurança e protecção das crianças nas escolas. Neste particular, ressaltou o facto de muitas províncias estarem a entabular diálogos de concertação e auscultação com a sociedade civil, igrejas e outros parceiros sociais para um trabalho de consciencialização e protecção da covid-19.

Em relação às províncias fronteiriças, sobretudo com a RDC, existe preocupação com a mobilidade de pessoas e bens, pelo facto daquele país vizinho ter terminado já as medidas de quarentena e cerca sanitária.

A ministra garantiu que apesar dos problemas apresentados, não haverá uma anulação do ano lectivo. Estiveram também no encontro, além da ministra e governadores, o secretário de Estado da Comunicação Social, Nuno Carnaval, e a ministra da Educação Luísa Grilo.

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS