Confundibilidades!

Na noite de um domingo órfão de clientes, um homem com uma bíblia encarnada entrou num pequeno bar com a missão de “pregar a mensagem do Deus Vivo”. No entanto, para a infelicidade da causa divina, com os garçons e os outros funcionários já dispensados, o bar só estava habitado por quatro pessoas, nomeadamente o gerente, um casal jovem de homossexuais, sentados numa mesa logo à entrada; e um senhor acomodado num canto escuro, tão escuro que nem mesmo a mais atenta das águias o podia ver.

O Mensageiro do Deus Vivo, após trocar umas palavrinhas com o gerente, tendo recebido o copinho com água que havia pedido, dirigiu-se logo-logo ao casal de homossexuais:

– Sabem, irmãos, Deus mandou-me aqui para vos libertar das garras do Diabo. Há muita coisa anormal a acontecer no mundo…

O gerente e o casal de ‘gays’ estavam a cinco passos do Mensageiro do Deus Vivo, mas o pastor gritava como quem relata um golo marcado nos descontos da final de um mundial de futebol.

Após alguns minutos de pregação, notando que os outros estavam atentos, o enviado de Deus pediu que as três “ovelhas perdidas” (no caso, o gerente e o casal de homossexuais) fechassem os olhos, enquanto ele fosse orar.

– Diabo, eu sei que estás aqui! – dizia o Mensageiro do Deus Vivo, adoptando um tom de voz mais firme à medida que ia repetindo a reza: – Eu sei que estás aqui…

De repente, pareceu-lhe ter ouvido alguém dizer “e o que é que tu tens a ver com isso?”. Assustado, o homem de Deus abriu os olhos para ver se não se tratava de uma brincadeira de uma das “ovelhas”. E, notando que o gerente e o jovem casal mantinham os olhos cerrados, escutando obedientemente a pregação, o pastor sentiu-se motivado, embora tivesse agora um pouquinho de tremura na voz:

– Sai daqui, Diabo! Sai, sai, sai….

“Não saio, pah! Não saio!”, gritou de novo a voz que o assustara.

Desta vez, porém, não foi apenas o Mensageiro do Deus Vivo quem ouviu o grito! O gerente e os dois jovens, também já assutados, tentavam agora descobrir de onde saia aquela voz, enquanto o pastor, esquecendo-se da bíblia no chão, já havia abandonado o bar a sete pés, sem sequer pagar a água que consumira.

No bar, instantes depois, voltou a ouvir-se: “Não saio, não saio. Ainda tenho troco, caramba!”

Então, o gerente e o jovem casal desataram a rir, pois haviam percebido que a voz que fizera o Mensageiro do Deus Vivo fugir de medo era a do senhor que estava sentado no cantinho escuro. E a explicação era simples: com o álcool a governar-lhe os neurónios, o homem confundia Tiago, o seu nome, com Diabo, o Satanás.