Instituição quer reduzir a burocracia e melhorar os serviços

INAAREES com novas infra-estruturas

Guichet de atendimento ao público, rede de dados, sistema informático de homologação e reconhecimento de estudos estão entre as novas ‘aquisições’ do Instituto Nacional de Avaliação, Acreditação e Reconhecimento de Estudos do Ensino Superior (INAAREES). A instituição conta também com uma máquina de gestão de filas e um portal, mas o director-geral adverte que “não é num ápice” que se vai reduzir a burocracia.

INAAREES com novas infra-estruturas
Santos Samuesseca
Jesus Tomé

Jesus ToméDirector do INAAREES

Prevê-se que o portal venha a conter a lista com as instituições de ensino superior, públicas e privadas, reconhecidas pela tutela.

Instituto Nacional de Avaliação, Acreditação e Reconhecimento de Estudos do Ensino Superior (INAAREES) conta, desde a semana passada, com novas infra-estruturas, como o guichet de atendimento ao público, rede de dados, sistema informático de homologação e reconhecimento de estudos. Uma máquina de gestão de filas e um portal também constam entre a ‘novidades’ inauguradas pela ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, que admite que o instituto “nunca se conseguiu afirmar plenamente por força de diversas circunstâncias da vida nacional”.
À ‘mea-culpa’ de Maria do Rosário Sambo juntam-se críticas e reclamações de angolanos e estrangeiros que já se deslocaram à estrutura situada na travessa B3 da Centralidade do Kilamba, em Luanda, com o objectivo de homologar um diploma de estudos feito no país ou reconhecer um ‘canudo’ conquistado no exterior. Aliás, em Março, numa entrevista ao NG, o próprio director-geral do INAAREES assegurou que tinha herdado um instituto “desorganizado, completamente destruído e às avessas com o paradigma da boa administração e boa gestão”. Jesus Tomé admitiu, na altura, que a instituição possuía “excessiva burocracia”, pois tinha pendentes quase cinco mil pedidos de homologação de estudos feitos em Angola, além “muitos casos de corrupção” envolvendo funcionários que feriam “o bom nome” do instituto.
Por isso, depois da inauguração dos novos serviços, o NG questionou Jesus Tomé se o INAAREES mudaria, finalmente, para melhor, mas o responsável lembrou que se trata de um processo “gradual”. “Não vamos reduzir o prazo ou tempo de espera [para o reconhecimento e/ou homologação de diplomas] num ápice”, explicou Jesus Tomé, considerando que não se pode pôr em causa todos os outros aspectos, como a análise e peritagem de documentos, pois estes têm o seu “próprio tempo de demora”.
A demora, entretanto, poderá deixar de ser problema para quem quiser obter informação sobre todos os serviços prestados pelo INAAREES, como a homologação de processos ou as taxas de pagamento, bastando, para isso, aceder ao portal aberto desde a semana passada: www.inaarees.gov.ao.
Prevê-se igualmente que o portal venha a conter a lista com as instituições de ensino superior (sejam públicas ou privadas) reconhecidas pela tutela. Na segunda fase, cuja data ainda não foi avançada, a instituição planeia que o sistema informático criado na semana passada, depois de transformar os arquivos físicos em digitais e modernizar os meios de trabalho interno dos funcionários, permita o tratamento de alguns processos ‘on-line’.
Situado na Centralidade do Kilamba, em Luanda, o INAAREES é uma instituição pública, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial, à qual compete promover e monitorar a qualidade das condições técnico-pedagógicas e científicas e dos serviços prestados pelas instituições de ensino superior. Este organismo tem também a missão de homologar os estudos superiores feitos no país, reconhecer e emitir equivalências de graus e títulos académicos obtidos no exterior

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS