Mais três que antes da pandemia

Oito mulheres desaparecem por dia no Peru

O número de mulheres desaparecidas no Peru, um fenómeno endémico no país, subiu de cinco por dia, em média, para oito, desde a quarentena decretada para travar a pandemia da covid-19, indicou o provedor de Justiça.

Oito mulheres desaparecem por dia no Peru
D.R

O desaparecimento de mulheres é um problema recorrente naquele país latino-americano, que conta 33 milhões de habitantes.

Segundo dados do gabinete do provedor de Justiça, citados pela agência de notícias France-Presse (AFP), em 2019 desapareceram, em média, cinco mulheres por dia.

A situação agravou-se durante o confinamento, imposto entre 16 de Março e 30 de Junho em todo o país, com o número a subir para oito desaparecimentos por dia.

Neste período, desapareceram 915 peruanas, 70% das quais menores.

Os familiares das vítimas e grupos de defesa dos direitos das mulheres acusam a polícia de não investigar os desaparecimentos, a pretexto de que deixaram as famílias voluntariamente, apesar da elevada taxa de assassínios de mulheres no país e das redes de tráfico de seres humanos e de prostituição.

"Há resistência por parte da polícia para investigar estes casos. Exigimos que seja criado um registo nacional de pessoas desaparecidas", disse à AFP a advogada Eliana Revollar, responsável pelos direitos das mulheres no gabinete do provedor de Justiça.

Em 2019, foram assassinadas 166 mulheres no país. Um em cada dez casos tinha sido denunciado às autoridades como desaparecimento, de acordo com o provedor de Justiça.

Desde o início da pandemia, o Peru registou 498.555 infecções e 21.713 mortes por covid-19, incluindo 212 óbitos nas últimas 24 horas, um novo máximo diário.

As autoridades vão impor um novo recolher obrigatório dominical a partir de 16 de Agosto, tendo proibido igualmente as reuniões familiares, principal fonte de contágio com o novo coronavírus no país.

O Peru é o terceiro Estado latino-americano mais afectado pela doença, atrás do Brasil e do México.