Filomeno Fortes é especialista em malária e doenças tropicais

Angolano eleito director do Instituto de Medicina Tropical de Lisboa

O médico angolano Filomeno Fortes, especialista em malária e doenças tropicais, foi eleito por unanimidade director do Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) da Universidade Nova de Lisboa, em Portugal.

Angolano eleito director do Instituto de Medicina Tropical de Lisboa
D.R.
Filomeno Fortes coordena doutoramento em Biomedicina na UAN.

O médico, especialista em Saúde Pública e em malária e doenças tropicais, já desempenhou vários cargos em Angola.

O médico, especialista em Saúde Pública e em malária e doenças tropicais, já desempenhou vários cargos em Angola. Foi director nacional de Controlo de Endemias, chefe do departamento de controlo de doenças da Direcção Nacional de Saúde Pública e director do programa de controlo da malária. A nível internacional, foi nomeado, em 2012, secretário-geral da Federação Internacional das Doenças Tropicais.

A eleição de Filomeno Fortes, doutor em Ciências Biomédicas e coordenador do Doutoramento em Ciências Biomédicas da Universidade Agostinho Neto, surgiu após um concurso internacional. O outro finalista foi o médico brasileiro Roberto de Andrade Medronho, professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro e director da Faculdade de Medicina dessa universidade.

Na apresentação pública da sua proposta de acção para o IHMT para o período de 2019-2023, Filomeno Fortes defendeu o reforço do prestígio nacional e internacional do instituto, bem como as parcerias com os Palop.

Segundo um comunicado da embaixada de Angola em Lisboa, Filomeno Fortes é o primeiro estrangeiro a assumir a direcção do IHMT, instituição que coordena todos os programas de saúde a nível da CPLP, cuja presidência rotativa será assumida por Angola no próximo ano.

"Criado a 24 de Abril de 1902, com a denominação de Escola de Medicina Tropical, o IHMT esteve inicialmente vocacionado para o estudo, ensino e clínica das doenças tropicais. Esta actuação evoluiu para uma abordagem integrada, que vai desde o nível molecular aos sistemas globais de saúde, com um forte empenho na resolução de problemas de saúde que atingem os mais pobres e os excluídos, em todos os continentes", lê-se no site do IHMT.

Outros artigos do autor

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS