Afeganistão

Ataque à bomba faz 14 mortos e 145 feridos

Pelo menos, 14 pessoas morreram e 145 ficaram feridas, esta quarta-feira, num ataque reivindicado pelo grupo extremista islâmico Talibã com um carro armadilhado contra um posto policial no oeste de Cabul, anunciaram as autoridades.

Ataque à bomba faz 14 mortos e 145 feridos
D.R.
O objectivo do ataque suicida era um centro de recrutamento.

O atentado terrorista ocorreu depois de, pelo menos, cinco polícias terem morrido na terça-feira.

O ataque ocorreu por volta das 9h00 locais (5h30 em Luanda), no Oeste de Cabul, com a detonação de “um veículo carregado de explosivos” na “entrada do posto da polícia”, explicou o porta-voz do Ministério do Interior, Nasrat Rahimi.

A mesma fonte indicou ainda que dez dos 14 mortos são civis, assim como 92 dos feridos.

Um primeiro balanço relatou pelo menos 95 feridos, “a maioria mulheres e crianças” que foram transferidos para os hospitais de Cabul, segundo o porta-voz do Ministério da Saúde, Wahidullah Mayar.

Na área onde ocorreu a explosão, está também localizada uma escola militar.

O porta-voz dos talibãs, Zabihullah Mujahid, justificou o ataque numa mensagem na sua conta no Twitter, explicando que o objectivo do ataque “suicida” era “um centro de recrutamento perto da esquadra da polícia”. Segundo Mujahid, “dezenas de polícias e soldados morreram”.

O atentado terrorista ocorreu depois de, pelo menos, cinco polícias terem morrido na terça-feira após a detonação de um artefacto colocado numa bicicleta, à passagem de um veículo do Departamento de Luta contra o Narcotráfico no Noroeste de Cabul.

Os ataques coincidem com a oitava ronda de negociações de paz entre representantes dos Estados Unidos e dos talibãs no Qatar, em busca de um acordo que ponha fim a duas décadas de guerra.

Apesar das conversações, a violência continua por todo o país, com ataques constantes, incluindo atentados na capital afegã com dezenas de mortos, situação que a ONU relacionou com a tentativa das partes de reforçarem as suas posições para negociarem nos termos mais favoráveis um acordo de paz.

Outros artigos do autor

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS