Segundo um estudo científico

Consumir música está mais barato, mas polui mais

Consumir música está mais barato, mas polui mais
D.R.
o estudo não pretende dissuadir as pessoas de ouvirem música

Pesquisa concluiu que os consumidores gastam menos pela música que ouvem, devido ao aumento dos serviços em 'streamming', mas têm um impacto no ambiente pelo consumo de energia poluente.

A compra e escuta de música estão mais baratas, por causa da Internet, mas têm um maior impacto no ambiente pelo consumo de energia poluente, segundo um estudo divulgado hoje, segunda-feira, pela Universidade de Glasgow, Reino Unido.

A investigação, intitulada ‘O custo da música’, analisou a indústria discográfica e o consumo de música nos Estados Unidos, concluindo que os consumidores gastam menos pela música que ouvem, em particular com o aumento dos serviços de escuta ‘online’ em ‘streamming’.

No entanto, a energia que é gasta para carregar a bateria de todos os dispositivos para a partilhar e ouvir, como telemóveis e computadores, representa um aumento das emissões de gases de efeito de estufa no ambiente.

No estudo, são avançados dados concretos sobre o panorama nos Estados Unidos: em 1977, no pico das vendas dos discos de vinil, o consumo de música gerou 140 milhões de quilos de dióxido de carbono, mas em 2016 o armazenamento, transmissão e escuta de música ‘online’ levou à emissão de 200 milhões a 350 milhões de quilos de CO2.

Do ponto de vista do impacto ambiental, os investigadores apresentam um dado positivo sobre a desmaterialização do consumo de música. O uso de plástico na indústria discográfica desceu drasticamente para oito milhões de quilos, em 2016, quando, em 1977, foi de 58 milhões de quilos, produzidos e utilizados.

Em 1988, altura em que prevaleceu o uso e compra de cassetes, a indústria discográfica usou 56 milhões de quilos de plástico e produziu 136 milhões de quilos de gases poluentes. Em 2000, considerado o período de maiores vendas de CD, os valores subiram para 61 milhões de quilos de plástico e 157 milhões de CO2 emitidos.

Ajustando à inflação e ao valor actual de moeda nos Estados Unidos, foram calculados os preços de compra de música em diferentes suportes. Um cilindro de fonógrafo em 1907 custava 13,8 dólares, um disco de goma laca (1947) ficava em 10,8 dólares, um vinil (1977) em 28,4 dólares, uma cassete (1988) em 16,5 dólares, um CD (2000) em 21,5 dólares e um álbum digital (2013) em 11,1 dólares.

Apresentando estes dados, o estudo não pretende dissuadir as pessoas de ouvirem música, mas espera que “ganhem consciência da alteração de custos envolvidos no consumo”, afirmou o investigador Matt Brennan, citado pela Universidade de Glasgow.

 

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS