No Kwanza-Norte

Receitas fiscais baixam 15 % no 1.º semestre

Receitas fiscais baixam 15 % no 1.º semestre
D.R

As receitas fiscais no Kwanza-Norte registaram, durante os primeiros seis meses do ano, uma queda de 15 por cento em relação ao período homólogo de 2019, ao serem colectados 3.305 mil milhões de kwanzas, contra os 4.475 mil milhões de 2019.

Dados da Administração Geral Tributária (AGT) a que a Angop teve acesso indicam o actual contexto difícil da economia nacional, influenciado pelo impacto negativo da pandemia da covid-19 no sector produtivo e comercial, como a principal causa da baixa das arrecadações  fiscais.

Com o valor de 3,5 mil milhões de kwanzas arrecadados (correspondente a 90,9 por cento do volume geral das receitas), a repartição fiscal do Dondo, município de Cambambe, foi a que mais dinheiro arrecadou para os cofres do Estado.

Já a repartição de Ndalatando (capital da província) gerou 206,1 milhões de kwanzas (6,24 %), enquanto a repartição de Camabatela, no município de Ambaca, arrecadou 93,7 milhões de kwanzas (2,84 %).

Entre as rubricas que mais receitas geraram para os cofres do Estado, a fonte destaca o imposto sobre lucros da actividade económica, com um valor de 1,6 mil milhões de kwanzas, seguido do IVA com 675,5 milhões de kwanzas, o imposto especial de consumo com 471, 2 milhões de kwanzas e o imposto sobre rendimento com 399,9 milhões de kwanzas.

A AGT no Kwanza-Norte conta actualmente com repartições fiscais instaladas em três dos seus 10 municípios, nomeadamente, Cazengo (sede provincial), Cambambe e Ambaca, estando o alargamento da actividade às demais regiões, dependente da criação de condições de infraestruturas e aumento dos recursos humanos.