No Iémen

Pandemia e falta de ajuda empurram milhões de crianças para a fome

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) estimou hoje que milhões de crianças vão ficar à beira da fome no Iémen, devastado pela guerra, afectado pela pandemia e pela quebra na ajuda humanitária.

Pandemia e falta de ajuda empurram milhões de crianças para a fome
D.R

O país registou oficialmente mais de mil casos de covid-19, a doença causada pelo coronavírus, que resultaram em 275 mortos. No entanto, acredita-se que a contagem real seja muito maior, pois as capacidades de teste são extremamente limitadas.

A previsão consta de um novo relatório da UNICEF intitulado ‘Iémen cinco anos depois: crianças, conflitos e covid-19’, no qual se aponta que o número de crianças iemenitas desnutridas pode chegar aos 2,4 milhões até ao final do ano, um aumento de 20% em relação ao cenário actual.

"À medida que o devastado sistema de saúde e as infra-estruturas lutam para lidar com o coronavírus, a situação, que já é terrível para as crianças, provavelmente vai deteriorar-se consideravelmente", alertou a UNICEF.

A fraca infra-estrutura de assistência médica não está preparada para combater a pandemia de coronavírus, após cinco anos de guerra entre uma coligação militar liderada pela Arábia Saudita e os rebeldes Houthis, apoiados pelo Irão.

A guerra, que eclodiu em 2015, desencadeou a pior crise humanitária do mundo.

A UNICEF prevê que a situação no Iémen piore, porque os países reduziram recentemente a ajuda humanitária.

O país registou oficialmente mais de mil casos de covid-19, a doença causada pelo coronavírus, que resultaram em 275 mortos. No entanto, acredita-se que a contagem real seja muito maior, pois as capacidades de teste são extremamente limitadas.

"Se não recebermos fundos urgentes, as crianças serão empurradas para a fome e muitas morrerão", disse a representante da UNICEF no Iémen, Sara Beysolow Nyanti. Se isso acontecer, "a comunidade internacional enviará a mensagem de que a vida das crianças (...) simplesmente não importa", acrescentou.

A UNICEF também alertou que, a menos que 54,5 milhões de dólares sejam desembolsados para assistência à saúde e nutrição, até ao final de Agosto, mais de 23 mil crianças estarão em maior risco de morrer por causa da desnutrição aguda. Cinco milhões de crianças com menos de 5 anos não terão acesso a vacinas contra doenças mortais.

As agências internacionais de assistência estão alarmadas com o declínio significativo do financiamento humanitário prometido anteriormente pelos países doadores.

Numa conferência 'online' dedicada ao Iémen, organizada pela ONU e pela Arábia Saudita a 2 de Junho, 31 dos países doadores prometeram 1,35 mil milhões de dólares em ajuda humanitária - menos mil milhões de dólares do que as agências precisam e metade do valor que os países prometeram em 2019.

A UNICEF pode garantir apenas 10% dos 461 milhões de dólares que pede para cobrir a sua resposta humanitária à crise no Iémen e menos de 40% dos 53 milhões de dólares necessários para lidar com o impacto da covid-19 nas crianças, indica-se no relatório.

"A UNICEF está a trabalhar dia e noite em situações incrivelmente difíceis para obter ajuda para crianças em necessidade desesperada, mas só temos uma fração do financiamento necessário para fazer isso", reforçou Nyanti.

O relatório da UNICEF surge logo após o responsável pela ajuda humanitária das Nações Unidas, Mark Lowcock, ter afirmado numa reunião fechada do Conselho de Segurança da ONU que o Iémen poderia "cair do penhasco" sem um forte apoio financeiro.

Metade das unidades de saúde do Iémen são disfuncionais e 18% dos 333 distritos do país não têm médicos.

Os sistemas de água e saneamento entraram em colapso, resultando em surtos recorrentes de cólera.

Cerca de 9,6 milhões de crianças não têm acesso suficiente a água potável, saneamento ou higiene e dois terços dos cerca de 30 milhões de pessoas no país contam com assistência alimentar.

A pandemia de covid-19 já provocou quase 484 mil mortes e infectou mais de 9,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

 

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS