Em zonas de conflitos

ONU alerta para aumento de extremismo durante pandemia

Um painel de peritos da ONU afirmou hoje que a pandemia fez aumentar a ameaça de grupos extremistas, como Estado Islâmico e Al-Qaeda, em zonas de conflito, incluindo Afeganistão, Síria, Iraque e Moçambique.

ONU alerta para aumento de extremismo durante pandemia
D.R

Num relatório para o Conselho de Segurança da ONU, o painel afirmou que a ameaça extremista continuou a aumentar nas zonas de conflito na última metade de 2020, porque "a pandemia inibiu as forças da lei e da ordem mais do que os terroristas", que conseguem mover-se livremente, apesar das restrições impostas para combater a covid-19.

Segundo o painel, alguns Estados-membros da ONU, não nomeados, consideraram que, à medida que as restrições impostas para combater a pandemia vão sendo levantadas em vários locais, "pode ocorrer uma erupção de ataques pré-planeados".

"O custo económico e político da pandemia, o seu agravamento dos fatores subjacentes ao extremismo violento e o impacto esperado nos esforços antiterrorismo são suscetíveis de aumentar a ameaça a longo prazo em todo o lado", alertaram os peritos.

Segundo o painel, o Iraque e a Síria continuam a ser "a área central" para o grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), enquanto a região noroeste da Síria, onde a Al-Qaeda tem grupos afiliados, é "uma fonte de preocupação".

De acordo com os peritos, o Afeganistão continua a ser "o país "mais afectado pelo terrorismo no mundo".

Apesar do acordo entre os Estados Unidos e os Talibã, a 29 de Fevereiro do ano passado, e do início de conversações entre estes e o governo afegão, em setembro, a situação no país "continua a ser um desafio", segundo o relatório.

Mais de 600 civis afegãos e 2.500 membros das forças de segurança no país foram mortos em ataques desde 29 de Fevereiro de 2020, segundo o painel, que frisa que "as atividades terroristas e a ideologia radical continuam a ser uma fonte potencial de ameaças para a região e a nível global".

No Iraque e na Síria, de acordo com os peritos, não há indicação de que o EI possa reconstituir o seu autodeclarado "califado", derrotado em 2017, e que chegou a abranger um terço tanto do Iraque como da Síria, mas o grupo extremista "irá certamente explorar a sua capacidade de permanecer numa região caracterizada por perspetivas limitadas de estabilização e reconstrução".

O painel estima que 10.000 combatentes do EI permaneçam activos no Iraque e na Síria.

Os peritos destacaram ainda que os grupos extremistas fizeram progressos em África, com a região de Cabo Delgado, em Moçambique, "entre as áreas mais preocupantes", segundo o painel.

Em Cabo Delgado, membros do Estado Islâmico tomaram cidades e aldeias e continuam a manter o Porto de Mocímboa da Praia, apesar de uma ofensiva governamental sustentada, pode ler-se no relatório.

Na Europa, ataques na Áustria, França, Alemanha e Suíça, entre setembro e Novembro do ano passado, "sublinharam a ameaça permanente" de terrorismo, apontou o painel.

 

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS