Nesta sexta-feira

Novo voo de repatriamento de angolanos em Lisboa

Depois do único voo de repatriamento de angolanos retidos no Porto (Portugal), realizado a 30 de Julho, a TAAG - Linhas Aéreas de Angola - retoma, nesta sexta-feira, as operações humanitárias de "resgate" entre Lisboa e Luanda, transportando 260 passageiros.

Novo voo de repatriamento de angolanos em Lisboa
D.R

Neste segundo voo de repatriamento, a partir da capital portuguesa, à semelhança do anterior, estão a ser priorizados os doentes que cumpriram juntas médica, alguns que estavam em formação académica, os passageiros em grupo familiar (sobretudo com crianças) e os idosos.

Conforme os termos do Decreto Presidencial sobre o Estado de Calamidade Pública, e tal como os beneficiários anteriores destas operações humanitárias, estes serão encaminhados para os vários centros de referência, onde vão cumprir a quarentena institucional obrigatória.

Assim, os viajantes a bordo do Boeing 777-300, da TAAG, antes do embarque, deverão apresentar o teste “negativo” da covid-19, realizado 72 horas antes, assim como preencherão a declaração de aceitação do período de quarentena institucional em hotéis designados pelo Estado angolano.

Desde que foi decretado o Estado de Emergência, a 25 de Março último, a TAAG transportou quatro  mil angolanos que estavam retidos no estrangeiro. A TAAG já transportou, só em Julho, 760 pessoas, sendo 543 de Portugal.

No quadro do programa de voos humanitários da Comissão Multisectorial para a Prevenção e o Combate à Covid-19, a companhia prevê repatriar de Portugal 1.100 cidadãos nacionais, dos quais 1.800 em Lisboa e 300 na cidade do Porto.