CRÉDITOS NO KWANZA NORTE

Ministro quer processos de concessão simplificados

O Ministro da Economia e Planeamento, Sérgio dos Santos, advogou, hoje, em Ndalatando, a necessidade de os bancos comerciais adoptarem medidas para simplificar e desburocratizar os processos de concessão de créditos, no âmbito do Programa de Apoio ao Crédito (PAC).

Ministro quer processos de concessão simplificados
D.R.

Sérgio dos Santos respondia a preocupação da Associação dos Empresários do Kwanza-Norte (AECN), manifestada pelo seu presidente, Gilberto Francisco Simão, durante um encontro de auscultação da classe empresarial local, no âmbito da visita de três dias que efectua à província.

No encontro, os empresários queixaram-se, entre outras, das dificuldades no tratamento do título de concessão de terra, documento que habilita ao crédito, no âmbito do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi) e da excessiva burocracia por parte dos bancos comerciais na concessão de créditos.

Esclareceram que muitos projectos se encontram “encalhados” na banca por questões burocráticas, uma vez que os bancos levam muito tempo a se pronunciar sobre os processos de solicitação de créditos.

Afirmaram que a excessiva burocracia por parte dos bancos comerciais contribui para a dificuldade de acesso ao PAC, bem como na implementação de projectos económicos.

Dados avançados pelo consultor do ministro da Economia e Planeamento, Lukeni Araújo, indicam que o país tem 10 mil 690 produtores registados, dos quais 409 na província do Cuanza Norte, que conta com 272 produtores individuais, 67 sociedades por quotas e 39 cooperativas.

No quadro do PAC, a província conseguiu fazer aprovar 98, dos 786 projectos de empresas, cooperativas e promotores de negócios individuais submetidos para a adesão ao crédito. Do total das iniciativas validads, foram financiadas 14 e 10 aguardam pelo desbloqueio financeiro.

Entretanto, o ministro da Economia e Planeamento, Sérgio dos Santos, reconheceu que o referido problema está a preocupar os produtores a nível nacional, pelo que pede maior flexibilidade das administrações locais e dos governos provinciais na facilitação do processo da aquisição do referido documento.

Aos bancos, apelou celeridade e menos burocracia na tramitação do processo para concessão de créditos, com o objectivo de dinamizar o sector produtivo nacional.

Afirmou que combater o excesso de burocracia, reduzir e simplificar processos para que se torne cada vez mais ágil abrir uma empresa constituem "bandeira" que envolve todos os departamentos ministeriais do Executivo angolano, governos provinciais, administrações municipais e os bancos comerciais, para a operacionalização do PAC.

Já o governador do Kwanza-Norte, Adriano Mendes de Carvalho, explicou que a província precisa de mais investimentos e, para isso, é fundamental a desburocratização dos processos de concessão de créditos

"Pelo facto de a região ser uma potência em terras aráveis, recursos hídricos e minerais, e não só, o Governo do Cuanza Norte pretende transformá-la num dos maiores motores do processo de diversificação da economia do país, através dos sectores da Indústria, Minas, Agro-pecuária, Avicultura e Turismo", ressaltou.

De igual modo, prosseguiu, a sua equipa está interessada no ressurgimento de empresas que apostem nestes sectores para dar oportunidades de emprego, sendo que, para o efeito, se deve desburocratizar ao máximo os processos de concessão de créditos.

O PAC está inserido no Prodesi e aplica-se aos projectos de investimento que contribuam directa ou indirectamente na produção interna de bens.