África do Sul

Escola primária acusada de racismo

Escola primária acusada de racismo
DR

Uma escola primária sul-africana está a ser acusada de segregação racial, depois de ter sido divulgada a imagem de uma sala com crianças brancas e negras sentadas separadamente durante a aula.

As aulas no centro LaerskoolSchweizer-Reneke, no Nordeste da África do Sul, foram suspensas na quinta-feira e a escola permanece fechada esta sexta-feira, enquanto as autoridades locais investigam o incidente.

A fotografia tornou-se viral nas redes sociais e gerou uma onda de indignação na sociedade sul-africana, que, durante mais de 40 anos, viveu sob o regime segregacionista do ‘apartheid’.

A imagem, tirada durante o primeiro dia de aulas de Janeiro, mostra cerca de duas dezenas de crianças brancas sentadas numa mesa comum e quatro crianças negras sentadas numa mesa menor, separada.

A fotografia foi compartilhada com os pais, num grupo de mensagens, pelo próprio professor responsável pela turma, cuja identidade não foi divulgada, mas que as autoridades adiantaram ter sido suspenso.

Os alunos têm idades entre os cinco e os seis anos e, após a polémica, a escola alegou que a divisão tinha sido em função dos alunos que sabiam falar africânder (língua falada pelos descendentes dos colonizadores europeus). Os pais dos alunos separados e a comunidade negra asseguram, no entanto, que o racismo está fortemente enraizado naquela zona.

“Só vi mensagens de pais brancos a agradecer o envio da foto. Ninguém dizia nada sobre a separação dos alunos”, contou ao portal sul-africano Times a mãe de uma das crianças.

O ministro da Educação provincial, SelloLehari, visitou a escola na sequência da contestação, que levou pais e comunidade a manifestarem-se em frente ao centro escolar. “Pela informação que recebi na reunião, parece que há aqui muitos casos de racismo. Vamos criar uma equipa para investigar todas as escolas da região e lidar com as questões do racismo globalmente”, disse, no final da visita.

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS