Na Federação Angolana de Taekwondo (FAT)

Confusão com duas direcções

O presidente eleito da Federação Angolana de Taekwondo, Mário Lucas Domingos, nega ter sido destituído do cargo. Membros a nova direcção asseguram ter provas de gestão danosa e vão apresentar uma queixa-crime.

Confusão com duas direcções
Mário Mujetes
Atletas durante a uma competição
Mário Lucas Domingos,

Mário Lucas Domingos, presidente da FAT

Essas informações não correspondem à verdade, prometendo esclarecer tudo, na reunião da mesa da assembleia geral, marcada para cinco do próximo mês.

Após vencer as eleições e assumir a presidência para o quadriénio 2016/2020, Mário Lucas Domingos, que substituiu no cargo Carlos Mupei, terá sido destituído pelo Conselho Jurídico por alegadas irregularidades, numa reunião convocada pela assembleia-geral. Mas, em declarações ao NG, Mário Lucas Domingos garante que essas informações “não correspondem à verdade”, prometendo esclarecer tudo, na reunião da mesa da assembleia-geral, marcada para cinco do próximo mês. “Sou o presidente e nunca fui afastado”, assegura.

O dirigente desmente que tenha havido uma reunião do Conselho Jurídico, sublinhando não existir irregularidade no seu mandato uma vez que o presidente da mesa da assembleia-geral ainda não convocou qualquer reunião com os membros da instituição.

 

QUEIXA-CRIME

O documento da resolução da assembleia, que ditou o afastamento do presidente de direcção no taekwondo, foi encaminhado para o Ministério da Juventude e Desportos. De acordo com Makila Carlos, 2.º vice-presidente da nova direcção, assegura haver indícios de uma gestão danosa por parte de Mário Lucas, prometendo apresentar nos próximos dias uma queixa-crime aos órgãos de justiça.

Makila Carlos argumenta que existem pessoas que “não têm amor à modalidade, recebem orçamento e não o utilizam para o taekwondo”. O dirigente acusa Mário Lucas de não cumprir com todo o programa de competições agendado para todos os escalões em ambos os sexos.

Para comandar os destinos do taekwondo, a assembleia-geral indicou Salomão Lumbo ‘Flash’, interinamente, até à próxima eleição.  Adinay Lando  foi indicado para 1.º vice-presidente.

Mário Lucas Domingos, praticante desde 1983, ostenta o cinturão negro (terceiro dan), desde 1996 e é técnico superior tributário. Tem na sua lista Octávio Braz, presidente de mesa da assembleia, e Wilson Tavares, secretário-geral. No seu programa de acção, propõe uma reorganização administrativa interna, aproveitamento dos talentos nas escolas e a massificação da modalidade em todas as províncias.

 

MOMENTOS CONTURBADOS

A modalidade sempre viveu momentos conturbados, desde a criação da Federação em 2004. Em Novembro do mesmo ano, Carlos Mupei, derrotado por Nzuzi Ndolomingu, impugnou os resultados. Em 2016, vários treinadores de clubes formaram uma Comissão de Gestão dirigida por José Carlos Araújo, que conduziu os destinos da federação até à eleição de Mário Lucas, eleito para 2016-2020, que agora está a ser contestado por alegada gestão danosa.

O taekwondo é uma modalidade desportiva do século XX, de origem coreana. É uma arte marcial usada normalmente como defesa pessoal. Em Angola, é praticado em quase todo o país, e já esteve no auge em África. Em 2014, Angola conquistou quatro medalhas, uma de prata e três de bronze, nos Jogos da Lusofonia.  Existem cerca de dez mil praticantes, dos 250 quais cinturões negros (técnicos).

 

 

Outros artigos do autor