Combate à delinquência juvenil, tabagismo e álcool

Futebol de salão mobiliza Rangel

Para tirar os jovens da delinquência e combater o álcool e tabagismo, um grupo de jovens do distrito do Rangel, em Luanda, realiza até 31 de Dezembro o torneio de futebol de salão ‘Taça 10 de Dezembro’. Participam 28 equipas, em representação de sete bairros de Luanda.

Futebol de salão mobiliza Rangel
Santos Sumuesseca
Jogo de abertura
Madaleno Arcanjo

Madaleno ArcanjoMembro da equipa organizadora

Devem ser reforçadas políticas que afastem os jovens da delinquência, dando-lhe iniciativa própria para abandonarem os círculos criminosos e entrarem no mundo apaixonante do desporto.

Com periodicidade anual, um grupo de jovens realiza um torneio de futebol de salão com a participação de 28 equipas vindas de quase todos os cantos de Luanda, com o objectivo de combater o consumo de drogas e de bebidas alcoólicas, especialmente no Rangel.

A 18.ª edição do torneio teve início no sábado passado, no interior da escola Ngola Mbandi. A final está prevista para 31 de Dezembro. Nesta edição, fica de fora a formação do Kilamba-Kiaxi que, por questões internas, não poderá defender o título conquistado na edição anterior. 

A organização sempre escolheu o mês de Novembro, coincidindo com o fim da época escolar. Madaleno Arcanjo, membro da organização, em declarações ao NG, defende que devem ser “reforçadas políticas que afastem os jovens da delinquência, dando-lhes iniciativa própria para abandonarem os círculos criminosos e entrarem no mundo apaixonante do desporto”.

Desde que existe o torneio, muitos deixaram a criminalidade, como é o caso de João Paulo Sambo, jovem de 19 anos, que esteve preso durante três meses na cadeia de Viana. O atleta da equipa Pen Drive, após ser solto, tem agora o desporto como a principal ocupação e não deseja estar novamente em conflito com a lei. Quando esteve encarcerado, pensou que fossem quatro a cinco anos e agora é tido como conselheiro dos vizinhos e amigos. “A cadeia nunca foi um bom lugar”, remata

O atleta, que joga na posição de médio ofensivo, afirma ter encontrado uma “lufada de ar fresco”, através do desporto e pretende testar nos próximos tempos numa das equipas de Luanda e seguir a carreira profissional. “Os jovens devem pautar por um bom comportamento”, recomenda.

Por sua vez, Luís de Oliveira, um dos árbitros do torneio e membro da equipa organizadora, entende que torneios do género, além de combater práticas menos boas na juventude, também servem de trampolim na descoberta de muitos talentos. Dá o exemplo de Manguxi, do Petro de Luanda. Os jogos são disputados apenas aos sábados e domingos, durante o dia, com duas partidas cada e, pela primeira vez, o torneio conta um estrangeiro, de nacionalidade maliana.

Vasco Sérgio, administrador do bairro Marçal, em representação da administração do Rangel, promete continuar a apoiar e abraçar iniciativas dos jovens no combate à delinquência, álcool e tabagismo. O responsável deseja ver a juventude do Rangel “mais activa no desporto e em campanhas de limpeza que podem contribuir para a diminuição e no combate de acções que não dignificam a sociedade”. Em forma de repto, Vasco Sérgio aconselha os jovens luandenses a formarem-se academicamente, trabalhar e ajudar a comunidade.

Prémios e troféus

Para premiar equipas e atletas, a organização colocou à disposição incentivos até ao quarto classificado do torneio. Os quatro primeiros classificados vão receber um troféu, medalhas, certificados de participação e valores monetários. Já o melhor marcador vai ser agraciado com um troféu e um certificado de participação.