Ao antigo jogador Avelino Lopes

Petro obrigado a pagar 60 mil dólares

O Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol deu razão ao antigo jogador do Petro de Luanda Avelino Lopes. A direcção de Tomás Faria tem 60 dias para pagar 60 mil dólares. A disputa já tem quase 16 anos.

Petro obrigado  a pagar 60 mil dólares
Tomás Faria

Tomás FariaPresidente do Petro de Luanda

O clube nada deve ao ex-atleta Avelino Lopes e ele reconheceu isso mesmo, num documento que assinou.

A direcção do Petro de Luanda, presidida por Tomás Faria, tem 60 dias para fazer  o pagamento de 60 mil dólares ao seu antigo jogador Avelino Lopes. Esse é o valor que falta pagar, relativo à transferência do atleta para o Al Ahly do Egipto, na temporada 2001-2002. O pagamento deste valor deve ser feito na taxa de câmbio legal praticado no banco comercial que validou a respectiva transacção. Caso a direcção do clube se recuse a liquidar a dívida, a equipa principal de futebol pode ser excluída do actual campeonato nacional de futebol.

O Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol (CD-FAF), depois de analisar o protesto do clube e do antigo jogador, entende que os argumentos apresentados pela direcção ‘tricolor’ são improcedentes. O CD-FAF considera que a SIGESP, S.A (Sociedade de Investimento e Gestão de Participações Sociais) é uma instituição criada pelo clube para produzir e gerir os activos do Petro de Luanda, lembrando que não existe e nunca existiu a SIGESP, S.A Futebol Clube.

A direcção do Petro tem alegado não possuir qualquer dívida com o antigo jogador e Tomás Faria atira a responsabilidade à SIGESP. “O clube nada deve ao ex-atleta Avelino Lopes e ele reconheceu isso mesmo, num documento que assinou no momento em que ocorreu a sua transferência para o Al Ahly do Egipto”, conta Tomás Faria.

INÍCIO DO PROBLEMA

Tudo começou em 2001, quando o atleta do Petro do Huambo se transfere para o Petro de Luanda. No mesmo ano, Avelino Lopes mudou-se para o Al Ahly do Egipto. No contrato celebrado entre os dois clubes, o valor era de 400 mil dólares e, em função desta transferência desportiva internacional, Avelino Lopes teria direito a 30 por cento de bónus da assinatura do contrato. Mas o antigo jogador beneficiou apenas de 15 por cento, correspondente a 60 mil dólares, quando, na verdade, teria direito a 120 mil dólares.

Avelino Lopes conta que o primeiro valor foi pago através de uma transacção bancária feita pelo Petro de Luanda, através da empresa SIGESP, S.A.

Actualmente com 44 anos, o antigo futebolista iniciou a carreira no Petro do Huambo, jogou pelo Petro de Luanda, Al-Ahly do Egipto, Desportivo da Huíla, 1.º de Maio de Benguela e representou a selecção nacional, disputando 16 jogos.

 

 

Outros artigos do autor