ESTUDO DA BMJ GLOBAL HEALTH

Risco de perder um filho em África é 100 vezes mais do que num país desenvolvido

Uma mãe em países africanos pobres tem 100 vezes mais probabilidade de perder um filho que as mães num país desenvolvido, segundo uma investigação publicada no jornal médico online, BMJ Global Health.

Risco de perder um filho em África é 100 vezes mais do que num país desenvolvido
D.R
Filhos em África

Além disso, em 16 países, todos pertencentes à África subsariana e Médio Oriente, mais de 200 em cada 1.000 mães perderam um bebé.

Uma mãe em países africanos pobres tem 100 vezes mais probabilidade de perder um filho que as mães num país desenvolvido, segundo uma investigação publicada no jornal médico online, BMJ Global Health.

A investigação oferece as primeiras estimativas globais do número cumulativo de mortes de crianças registadas entre mães com 20 e 49 anos em 170 países em todo o mundo, a partir de dados públicos recolhidos entre 2010 e 2018 em 89 países da proporção de mães que alguma vez perderam um filho.

"O que é inovador no nosso estudo é que vamos para além destes 89 países e fornecemos estimativas para aqueles que carecem de dados de inquérito recentes e representativos a nível nacional, aproveitando uma nova abordagem indirecta que combina modelos formais de parentesco e métodos de tabelas de vida. Isto permitiu-nos dar uma imagem completa do luto a nível mundial", explica um dos autores do estudo, Diego Alburez-Gutierrez, citado pela agência EFE.

Os autores do estudo, do Instituto Max Planck para a Investigação Demográfica (MPIDR) em Rostock, Alemanha, e do USC Dornsife College of Letters, Arts and Sciences em Los Angeles, Estados Unidos, interpretam as desigualdades nos dados entre países como dependendo não só das condições da mortalidade infantil e infantil, mas também da história demográfica das populações.

Segundo a investigação, nos sete países com menos mortes de crianças, grupo que inclui o Japão, Finlândia e Espanha, menos de cinco em cada 1.000 mães com idades compreendidas entre os 20 e os 44 anos perderam um filho com menos de um ano de idade. Na Alemanha, apenas seis em cada 1.000 mães perderam um bebé.

Já em 34 países, na sua maior parte africanos, mais de 150 em cada 1.000 mães perderam um bebé, o que significa que estas mulheres têm 30 vezes mais probabilidades de que um filho até um ano morra do que as mães nos sete países com os números mais baixos.

Além disso, em 16 países, todos pertencentes à África subsariana e Médio Oriente, mais de 200 em cada 1.000 mães perderam um bebé.

Os autores do estudo advertem que é preocupante que as mesmas partes do mundo onde o peso cumulativo da morte infantil é mais elevado para as mães sejam também os cenários onde as implicações sociais, económicas, relacionais e sanitárias da morte infantil para as mães são menos conhecidas.

"Esperamos que o trabalho dê relevo ao facto de que os esforços adicionais para reduzir a mortalidade infantil não só irão melhorar a qualidade e a duração da vida das crianças em todo o mundo, mas também melhorarão fundamentalmente a vida dos pais", afirmou Smith-Greenaway.

O BMJ Global Health é um jornal online aberto, dedicado à publicação de artigos de investigação médica, revistos por pares, na área da saúde pública, com especial relevância para decisores políticos, financiadores, investigadores, clínicos e restantes universos na área da saúde.