Em 23 anos de aposta na economia

BAI apresenta primeiro Relatório de Impacto

BAI apresenta primeiro Relatório de Impacto
D.R

Na semana em que se celebra do Dia Internacional da Informação sobre o Desenvolvimento, o Banco Angolano de investimentos (BAI) apresentou, a 19 de Outubro, o seu primeiro Relatório de Impacto, onde a instituição bancária quantifica em números e testemunhos os efeitos reais de 23 anos de aposta na economia, indústria, cultura, artes, desporto e formação profissional de milhares de angolanos.

O evento virtual, no qual o referido relatório foi apresentado, contou com a participação e análise do PCE do BAI, Luís Lélis; do economista Sérgio Calundungo; de Noelma D’Abreu, PCE da Academia BAI, e da empresária Elizabeth Dos Santos, responsável pela Fazenda Pérola do Kikuxi.

Ao longo de hora e meia, os oradores convidados abordaram o impacto do BAI na economia e na sociedade ao longo dos seus 24 anos de existência, do ponto de vista do seu alinhamento aos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.

Em termos de impacto social, o relatório coloca, em evidência, as iniciativas no sector da educação e da cultura, com destaque para a Academia BAI, que já formou perto de 22 mil jovens desde a sua criação, em 2012. Desde então, foram mais de dois milhões de horas de capacitação profissional nas áreas financeiras, de tecnologias de informação, entre outras.

A instituição tem também um importante programa de Bolsas de Estudo BAI, que se destinam a jovens de todo o país e têm uma dis­ponibilidade anual de 100 vagas nos cursos de licenciatura do Instituto Superior de Administração e Finan­ças (Isaf).

“Um banco, a partir do momento que compreende que na sua acção do dia-a-dia pode fazer as coisas sem danificar o ambiente, tem preocupação com as questões de género, tem politicas que promovam a transparência e o desenvolvimento dos seus clientes, tem preocupação com acções de responsabilidade social corporativa, é um banco que contribui para que o desenvolvimento seja sustentável”, defendeu Sérgio Calundungo.

Ao longo de 165 páginas, o relatório descreve também o impacto que teve na bancarização dos angolanos e que lhe valeu cinco prémios de ‘Melhor Banco’, atribuídos pela revista ‘The Banker’ e pela ‘Euromoney’. Para tal, contribuíram iniciativas pioneiras em Angola, como o ‘Mobile Banking’ e o facto de ter sido a primeira instituição financeira em Angola a emitir cartões de pagamento internacional. O BAI foi também o primeiro banco angolano a internacionalizar-se, com presença em Portugal, Cabo Verde e em São Tomé e Príncipe.

 

Fonte original - Site Angorussia.
Link -https://angorussia.com/noticias/bai-apresenta-1o-relatorio-de-impacto-na-epoca-em-que-se-assinala-o-dia-internacional-da-informacao-sobre-o-desenvolvimento/

Outros artigos do autor