Admite Governo

Alterações climáticas são “ameaça séria à estabilidade social e económica”

O Governo reconhece a vulnerabilidade do país às alterações climáticas e refere que constante variação climatérica com “recorrentes secas, inundações e aumento da temperatura” constitui uma “ameaça séria à estabilidade social, económica e ambiental” do país.

Alterações climáticas são “ameaça séria à estabilidade social e económica”
D.R.

A 'salvaguarda do património natural' é um dos propósitos do encontro que decorre sob o lema 'Juntos para Resiliência Nacional'.

Segundo uma nota do Ministério do Ambiente, distribuída esta quinta-feira durante o primeiro Diálogo Nacional sobre o Fundo Verde para o Clima (GCF, na sigla inglesa), “os indicadores apontam que a situação tende a piorar”. “Pois é o momento de agir agora”, refere-se no documento.

A zona sul de Angola, nomeadamente o Cunene, Kuando-Kubango, Huíla e Namibe estão afetados desde finais de 2018 por uma seca severa, situação que levou o Presidente da República a deslocar-se àquela região, em Maio.

Em Abril, o Conselho de Ministros aprovou um pacote financeiro de 200 milhões de dólares para solucionar problemas estruturantes ligados aos efeitos destrutivos da seca no Sul. Inundações, secas, erosão dos solos e aumento do nível das águas do mar são apontados pelas autoridades como os principais efeitos a nível nacional.

O documento observa que Angola tem registado um “ciclo recorrente de secas e inundações” que tem vindo a afetar de forma diferenciada as várias regiões do país “com consequências ao nível ambiental, social e económico”.

As autoridades promovem em Luanda este primeiro Diálogo Nacional sobre o Fundo Verde para o Clima no âmbito da sua política sobre a Sustentabilidade Ambiental inserida no Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018-2022.

A 'salvaguarda do património natural' é um dos propósitos do encontro que decorre sob o lema 'Juntos para Resiliência Nacional' e se propõe avaliar o potencial contributo do fundo para o plano de desenvolvimento e criar um grupo de trabalho multissetorial como Plataforma Nacional “para promoção e boas práticas”.

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS