Em 2013

Ex-Presidente da Gâmbia acusado de mandar matar americano-gambianos

Os antigos ‘esquadrões da morte’ gambianos acusaram esta semana o ex-Presidente Yahya Jammeh de ter orientado a morte de dois americano-gambianos em 2013.

Ex-Presidente da Gâmbia acusado de mandar matar americano-gambianos
DR
Ex-Presidente Yahya Jammeh, acusado por antigos ‘esquadrões

A informação surge depois de os mesmos terem revelado, no início da semana, o fuzilamento de um célebre jornalista e dezenas de migrantes de várias nacionalidades.

Desde segunda-feira, as autoridades gambianas, através da Comissão de Verdade e Reconciliação (TRRC), estão a ouvir os depoimentos de antigos elementos da guarda de Jammeh, nomeadamente Malick Jatta, Omar Jallow e Amadou Badjie.

Aquando do último dia dos interrogatórios da semana perante a TRRC, que retoma os seus trabalhos a 5 de Agosto, o sargento-chefe Amadou Badjie afirmou que em Junho de 2013, o antigo chefe de Estado ordenou-os a “despedaçarem” Alhajie Ceesay e Ebou Jobe, dois empresários americano-gambianos, que suspeitava de estarem a preparar um golpe de Estado.

Ambos foram presos e conduzidos à residência do Presidente na sua aldeia natal de Kanilai e, posteriormente, levados no fundo do seu imenso jardim, onde foram asfixiados, decapitados e enterrados, segundo Amadou Badjie, que participou da operação.

Yahya Jammeh tomou o poder em Julho de 1994, através de um golpe de Estado, foi eleito em 1996 e reeleito ininterruptamente até a sua derrota em Dezembro de 2016, pelo actual presidente Adama Barrow. 

Os defensores dos direitos humanos acusam o seu regime de torturas sistemáticas de opositores e de jornalistas, execuções extra-judiciarias, detenções arbitrárias, de desaparecimentos forçados e violações.