Entre 23 e 25 deste mês

Luanda acolhe Fórum Mundial de Turismo

Arranca hoje, em Luanda, o primeiro Fórum Mundial do Turismo, organizado em solo angolano. Angola é o segundo país africano a acolher o evento. De acordo com a organização, pretende-se investir no país num prazo não inferior a cinco anos, mil milhões de dólares. Até 2017, o Turismo representava 3,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

Luanda acolhe Fórum Mundial de Turismo
Mário Mujetes
Foto família no Fórum Turismo

Angola acolhe, a partir de hoje, pela primeira vez, o Fórum Mundial do Turismo, inaugurado por João Lourenço.

O evento, que termina no próximo sábado, aborda temas ligados ao sector e que serão discutidos a nível internacional, para que seja partilhada a visão do turismo mundial com os profissionais de cada país. 'Turismo e a inclusão social em África', 'Investimentos no Turismo', 'Turismo em Angola - Realidade e Perspectivas', 'Ambiente de Negócios e Oportunidades de Investimentos' e 'Mudando a dinâmica do mundo na gestão hoteleira' são alguns dos temas a abordar. É a segunda vez que o evento é realizado em África. A primeira foi em Acra, Gana, em 2017.

A organização do Fórum Mundial do Turismo (WTF, sigla em inglês) e o Ministério de Hotelaria e Turismo assinaram uma parceria para apoiar o desenvolvimento do turismo nos países em que estão previstos vários projectos como o Pólo de Desenvolvimento Turístico de Cabo Ledo, onde se estuda a possibilidade de se construírem infra-estruturas turísticas que incluam campos de golfe.

Além de incentivar a aposta no turismo, o líder da organização, Bulut Bagci, lembra a necessidade de haver investimentos na educação e na formação de recursos humanos. O fórum anunciou a intenção de investir mil milhões de dólares para contribuir para o desenvolvimento do turismo em Angola nos próximos anos.

Fundado em 2015, o Fórum Mundial do Turismo é uma organização que realiza eventos turísticos em diferentes partes do mundo, com o fim de impulsionar ainda mais o turismo global. Reúne profissionais da indústria. Até agora, foram feitas três reuniões globais, em Istambul, e regionais, em Antalya, Rússia e África.

Em Angola, além da exposição e das palestras, o fórum prevê visitas aos Pólos de Desenvolvimento Turístico de Cabo Ledo, em Luanda, de Kalandula, em Malanje, e do Namibe.

Além de Luanda, Malanje e Namibe, a ministra da Hotelaria e Turismo, Ângela Bragança, assegura que o país tem condições para o turismo e que, como prova disso, mostrará todo o seu potencial turístico, entre os quais, destaca as sete maravilhas naturais e o Projecto Okavango/Zambeze.

Em 2017, segundo o Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatísticas (Gepe) do Ministério da Hotelaria e Turismo de Angola, o sector representou 3,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB). As receitas de 2017, porém, representaram um decréscimo de dois mil milhões de kwanzas em relação a 2016, quando o sector gerou 12 mil milhões de kwanzas.

Operadores turísticos premiados

No âmbito do fórum, o Ministério da Hotelaria e Turismo prevê realizar amanhã um jantar de gala, em que vai decorrer o ‘Angola Tourism Awards 2019’, que visa distinguir actores nacionais que operam como prestadores de serviços turísticos, no período 2018-2019. Trata-se de uma iniciativa que pretende, acima de tudo, reconhecer o trabalho, cujo foco é a promoção e divulgação do turismo interno.

O ‘Angola Tourism Awards’ vai destacar os candidatos nas categorias de: Operador Turístico; Fotografia e Audiovisuais; Organização de Eventos; Plataforma Digital de Promoção de Conteúdos e Marketing Turístico; Programa de Media de Promoção de Turismo; Grupo Hoteleiro: Agência de Viagem; Inovação; Lodge e Aldeamento Turístico; Restauração; Catering e Eventos e Destino Turístico. Os vencedores de cada categoria recebem, cada um, uma peça com o símbolo do continente africano. Na gala, a Sociedade de Comercialização de Diamantes de Angola (Sodiam) realiza um leilão de pedras preciosas.

 

Outros artigos do autor