Primeiros combates agendados para sábado

‘Giraboxe, finalmente, pronto a arrancar

A competição de boxe que se pretende estender a todo o país arranca, depois de sucessivos atrasos, este sábado, em Viana. Estão previstos seis combates, com profissionais e amadores. O presidente da Federação Angolana de Boxe, Carlos Luís, louva a iniciativa e promete todo o apoio institucional. O objectivo é levar a modalidade a todos os bairros de Luanda e do país.

‘Giraboxe, finalmente, pronto a arrancar

O objectivo da criação do projecto é promover a modalidade nas cadeias, em todos os cantos de Luanda e do país.

Depois de sucessivos adiamentos, finalmente o projecto ‘Giraboxe’ já tem pernas para andar. O arranque desta competição e dos combates está marcado já para o dia reservado ao continente africano, este sábado, nos famosos ‘Quatro Campos’ de Viana, no Luanda-Sul. Para este ‘Giraboxe’, estão reservados seis combates, sendo dois profissionais, igual número de amadores e de demonstração. Este último destina-se a competidores com idades compreendidas entre os 12 e os 13 anos, ligados ao Interclube.

Para os combates profissionais, a organização agendou lutas que prometem muita adrenalina e acção entre os melhores pugilistas da actualidade: Faria Bongo (Electro do Lobito), Pimenta (Team Elite) Kiala Júnior (Interclube) e um atleta vindo de Mbanza-Congo, Zaire. O atleta do Electro do Lobito e o representante de Cabinda ficam hospedados no Centro de estágio do Interclube, em Luanda.

O promotor do boxe profissional e do ‘Giraboxe’, Olavo Gamboa, que esteve afastado do boxe há 11 anos, alegando “questões políticas”, considera que o objectivo da criação do projecto é “promover a modalidade nas cadeias, em todos os cantos de Luanda e do país”.

O ‘Giraboxe’ pretende ter combates uma vez por mês, passando por municípios, bairros e comunas de Luanda e de outras localidades de Angola. “Estou comprometido, porque sou do boxe”, garante Olavo Gamboa.

A competição não se vai limitar apenas aos masculinos. A organização igualmente agendou um combate feminino entre pugilistas do Interclube, Liliana André e Suzana Estevão. Todos os combates serão disputados nas categorias dos 60, 64, 75, 81, 91 e mais de 91 quilos.

 APOIOS E SEGURANÇA

Para o arranque da competição, a empresa promotora conta com o apoio da administração municipal de Viana, do director da Juventude e Desportos de Viana, da associação dos moradores de Viana, da Polícia Nacional e dos serviços de emergência médica e dos bombeiros. Olavo Gamboa acredita que, com a realização destes combates, o local vai ficar abarrotado com muito público e com amantes da modalidade, por isso, aproveita a oportunidade e pede que quem for assistir se faça acompanhar com uma garrafa de água mineral para ajudar as populações do Sul de Angola que vivem problemas de seca. Ainda sobre os apoios, a Federação Angolana de Boxe, através do presidente Carlos Luís, em declarações ao NG, assegura todo o apoio técnico, como árbitros e outros meios. 

 

OUTRAS PARAGENS

 

‘Giraboxe, finalmente, pronto a arrancar

Depois de Viana, a Olavo Gamboa Boxing Promotion promete organizar lutas no Kilamba, no próximo mês, durante as festividades da centralidade, seguindo depois para o Waku-Kungo, no Kwanza-Sul, e Maquela do Zombo, no Uíge. O promotor entende ser prematuro revelar o orçamento da primeira fase do ‘Giraboxe’ por não ser real, mas assegura que “não estão envolvidos milhões de kwanzas ou dólares”. E também considera ser “impossível”, este ano, chegar a todo o país, devido às dificuldades em conseguir patrocínios.

Olavo Gamboa acredita ser um projecto de longo prazo e pode ser um trampolim para a descoberta de novos pugilistas pelo país. Com o esforço da promotora, do empresariado e do Estado, está convicto de que pode ter bons pugilistas e lutar nos melhores ringues do mundo.

Berço de bons pugilistas

O boxe angolano sempre produziu bons atletas. O exemplo é Tony Kicanga, que ostentou, por várias vezes, o título mundial do Conselho Universal de Boxe (UBC) e da Associação Mundial Transcontinental (TWBA), bem como o compatriota Manuel Gomes. Além destes, destacam-se Simão Muanda, actual presidente da Associação de Boxe Profissional e Peter Fló, De Vasco e Tumba Silva (91 kg), Carlos Massia (+de 91 quilos) e Menayame Mbimbi (81 quilos), estes últimos considerados como melhores pugilistas angolanos, mas que desertarem da selecção em Agosto de 2017, que devia competir no mundial da modalidade, em Hamburgo, Alemanha.

 

Outros artigos do autor