Nas redes sociais com conta bancária

UNITA lança ‘vaquinha’ para homenagear Savimbi

O partido fundado por Jonas Savimbi quer homenagear o líder histórico, mas recorrendo a contribuições de militantes. Os apelos foram lançados no Facebook.

UNITA lança ‘vaquinha’  para homenagear Savimbi

AUnita começou a fazer uma ‘vaquinha’ nas redes sociais para conseguir recolher dinheiro para fazer uma homenagem póstuma ao líder histórico do partido, Jonas Savimbi.

A campanha, pelo que o NG apurou, começou na página oficial do Facebook do general Paulo Lukamba ‘Gato’, um dirigente histórico da Unita e deputado. O pedido de dinheiro foi sendo partilhada por militantes e simpatizantes. “Contribua também com os seus 500 kwanzas (quinhentos kwanzas) para as exéquias do nosso Mais Velho”, pode-se ler na publicação.

A contribuição pode ser feita numa conta domiciliada no Banco BIC, em nome de Henriques Samakuva, Ernesto Mulato e Victorino Nhany. “Contribua também com os teus 500kz (quinhentos kwanzas) para as exéquias do nosso Mais Velho, líder fundador da Unita, Dr. Jonas Malheiro Savimbi. A verdadeira homenagem será a do povo. BIC - 110021959/10/001. Em nome de: Henrique Samakuva- Pr. Ou Ernesto Mulato Ou Victorino Nhany. A Unita agradece”, lê-se.

Nas publicações de divulgação da ‘vaquinha’, houve quem aprovasse e mostrasse prontidão para a contribuição, mas também quem reprovasse a publicação devido à dimensão histórica de Jonas Savimbi. “É uma vergonha. Uma organização de respeito não recorreria a essa baixaria”, escreveu um internauta. “Partido Unita, por favor, tenham um pouco de vergonha. Pedir ‘esmolas’ ao povo para contribuição para as exéquias fúnebres? Francamente! Dr. Jonas Savimbi não merece isso!”, escreveu outro internauta numa publicação.

 

ADN no estrangeiro

Os rituais das exéquias, segundo o partido, estão previstos para os dias 5 e 6 de Abril. A cerimónia de exumação e recolha de amostras dos restos mortais do líder e fundador da Unita realizaram-se no final de Janeiro, no Luena, Moxico. Os testes de ADN vão ser feitos em laboratórios de Angola, África do Sul e Portugal e devem ficar prontos brevemente. Os familiares pretendiam que os exames de ADN fossem feitos em laboratórios de França, mas o Governo sugeriu Angola e Portugal