LIBERTAÇÃO DA ÁFRICA AUSTRAL  

 SADC destaca ''bravura'' dos heróis

A secretária executiva da SADC, Stergomena Lawrence Tax, destacou hoje (terça-feira) o contributo de todos que participaram na luta pela libertação de toda a região da África Austral.

   SADC destaca
D.R.
Bandeiras dos países membros SADC

Numa mensagem alusiva ao Dia da Libertação da África Austral, que se assinala hoje (23), Stergomena Lawrence Tax exortou os países da SADC a fazerem um balanço dos progressos alcançados no quadro da concretização dos objectivos: ‘‘Rumo à Libertação Económica” e, assim, da visão de um futuro comum que garanta o progresso do bem-estar económico e dos padrões de qualidade de vida dos respectivos povos, a liberdade, a justiça social,  paz e  segurança.

“Hoje, celebramos, mais uma vez, o Dia da Libertação da África Austral, ao recordarmos os filhos que pagaram o preço final, lutando pela libertação política e liberdade da nossa região. O sangue dos nossos filhos não foi em vão, uma vez que a luta de libertação contribuiu para a liberdade e libertação de toda a região da SADC”, referiu.

Disse que ao assinalar e celebrar os êxitos alcançados , “devemos permanecer conscientes de que ainda não fomos totalmente libertados, até ganharmos a batalha da independência económica (...) ”.

A secretária executiva entende que, de modo a acelerar o desenvolvimento socioeconómico, de forma sustentável, em prol dos cidadãos da SADC, os Estados-membros devem empenhar-se na Visão 2050 da SADC e na implementação do Plano Estratégico Indicativo de Desenvolvimento Regional 2020-2030.            

Os referidos planos, esclareceu, assentam numa base firme da paz, segurança e governação democrática e em três  pilares inter-relacionados: desenvolvimento industrial e integração de mercados; desenvolvimento de infra-estruturas de apoio à integração regional; e desenvolvimento de capital social e humano.

“Para preservar a paz e a segurança que desfrutamos desde à libertação da região pelos fundadores e a conquista da independência política pelos Estados-Membros, devemos permanecer solidários e condenar todas as formas possíveis de ameaças à paz e à segurança, incluindo os crimes cibernético, terrorismo, extremismo e discursos de ódio, que ameaçam reverter os ganhos obtidos com a paz, a segurança e o desenvolvimento económico da região”, referiu.

Encorajou os Estados-Membros a acelerar a inclusão da História da Libertação da África Austral nos currículos escolares, em benefício das gerações actuais e futuras.

Na sua mensagem, a secretário executiva da SADC lembrou que, com a morte do Presidente da República Unida da Tanzânia, John Pombe Joseph Magufuli, a região

perdeu um dos seus grandes líderes, que se dedicou ao desenvolvimento de África.

“Que a sua alma descanse em paz eterna e que possamos valorizar a sua notável contribuição para o desenvolvimento da SADC. Como região, devemos permanecer, também, resolutos na luta contra a Covid-19, que tem infligido muito sofrimento e dificuldades às nossas economias e ao nosso povo”, acrescentou.

O 23 de Março foi instituído Dia da Libertação da África Austral em 2018, em Windhoek, Namíbia, durante a Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da SADC.

O dia 23 de Março de 1988 marca o fim da Batalha do Cuito Cuanavale, no Sudeste de Angola, onde as FAPLA (Forças Armadas Populares de Libertação de Angola) e as FAR (Forças Armadas Revolucionárias, de Cuba) defrontaram o exército da maior potência militar regional, a África do Sul, e as ex- forças da UNITA.

A vitória das forças FAPLA e FAR nesta batalha representou uma viragem decisiva na África Austral, no sentido do progresso, da paz e da libertação dos povos africanos oprimidos pelo regime do apartheid.

Criada a 17 de Agosto de 1992, em Windhoek, a SADC tem como objectivo promover o crescimento e desenvolvimento económico e sustentável, aliviar a pobreza, aumentar a qualidade de vida dos povos da região e prover auxílio aos mais desfavorecidos.

Integram a organização Angola, África do Sul, Botswana, RDC, Comores, eSwatini, Lesotho, Madagáscar, Malawi, Maurícias, Moçambique, Namíbia, Seychelles, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabwe.

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS