Telecomunicações

Um acelerador de crescimento para a economia pós-pandemia de África

As empresas de telecomunicações têm um papel significativo a desempenhar em África como aceleradoras de crescimento, à medida que buscamos reduzir a exclusão digital e construir uma economia pós-pandemia resiliente.

Um acelerador de crescimento para a economia pós-pandemia de África
D.R

As melhores estratégias para alcançar isso estão ainda a ser identificadas, mas está claro que a solução será uma combinação de investimento financeiro, infra-estrutura, conectividade de banda larga de alta velocidade expandida e implantação da inovação pela qual a indústria de telecomunicações é tão conhecida.

Pesquisa pandémica

Na Delta Partners, recentemente conduzimos pesquisas e produzimos um relatório sobre as perspectivas pós-pandemia para operadoras de telecomunicações, onde consolidamos as opiniões de especialistas de cerca de 100 executivos seniores de telecomunicações de todo o mundo.

A nível regional de África, o confinamento viu um aumento significativo na conectividade de dados. Isso ocorreu devido a um claro aumento na aceitação do consumidor em aplicativos como videoconferência, streaming de vídeo, redes sociais e jogos. Um crescimento semelhante no consumo de dados foi verificado no campo empresarial, à medida que os negócios mudaram rapidamente para modelos de trabalho em casa.

Também significativo foi que, do lado da empresa, surgiram evidências claras da demanda reprimida por soluções baseadas em nuvem. A curto, médio prazo, pode-se presumir, com segurança, que haverá a necessidade de construir e expandir redes confiáveis, seguras e de baixa latência.

Sobre a questão das despesas de capital, enquanto os líderes na Europa perceberam uma desaceleração nos gastos após a pandemia, a situação era bem diferente em África. Cerca de 58% dos líderes que operam em países africanos viram a pandemia como um acelerador da indústria.

Aprofundando os resultados da pesquisa, sobre a questão dos modelos de rede e investimento em infraestrutura, África emergiu como a região de maior pontuação, com 83% dos entrevistados a contar com um aumento na mudança para modelos de compartilhamento de infra-estrutura passiva e 75% dos entrevistados viram um aumento na adopção de compartilhamento de RAN.

Sobre o impacto da pandemia nas marcas, 67% dos entrevistados em África acreditaram que houve um impacto geral positivo na marca devido às respostas rápidas que conseguiram demonstrar para reduzir a ansiedade e a incerteza durante o surto, onde haviam demonstrado a capacidade de lidar com o tráfego de rede mais alto.

Perspectiva de gastos com infraestrutura inteligente

A um nível alto, o sector das telecomunicações tem mostrado boa resiliência na maioria dos países africanos e os resultados da pesquisa apontam para boas perspectivas para o sector das telecomunicações em África. Contudo, há uma condição. O sucesso da expansão das telecomunicações dependerá da abordagem correcta da indústria em relação aos investimentos, bem como às parcerias.

Isso inclui o ritmo em que construímos – ou reaproveitamos – infra-estrutura em grande escala para maior conectividade de dados.

É necessário um maior foco nos aspectos de investimento e operacionais das partes de contratação de infra-estrutura do negócio de telecomunicações.

Com a grande demografia jovem, África continuará a experimentar altos níveis de migração rural para urbana, e precisará de diversificar as economias para criar crescimento e fornecer estímulo de crescimento em outras indústrias. A maneira mais eficaz de fazer isso é encorajar uma mudança dos sectores baseados em commodities para a indústria de TIC.

Isso também exigirá uma expansão das redes de telecomunicações. À primeira vista, o investimento em infra-estrutura de telecomunicações pode parecer uma perspectiva assustadora, e dado o relativo subinvestimento em infra-estrutura na maioria dos países africanos, os modelos de parceria podem ser uma forma de minimizar o risco dos investimentos e alcançar um nível mais alto de sucesso.

Por exemplo, os 6,5 milhões de quilómetros de estradas de África podem ser usados ​​para transportar cabos de telecomunicações. Assim como as nossas redes de electricidade, completas com postes de transporte de cabos. Até mesmo aquedutos podem transportar cabos de telecomunicações, enquanto postes de rua podem dobrar como estações base 5G.

O trabalho em equipA faz o sonho africano funcionar

A inclusão digital é vital para todas as economias africanas. Ela oferece oportunidades como um sector por si só, ao mesmo tempo que fornece a conectividade que pode transformar indústrias legadas e equipá-las para o futuro. No entanto, construir a infra-estrutura de telecomunicações para habilitá-la pode ser caro. África terá de investir de forma inteligente. Investir inteligente significa trabalhar com o que temos e construir parcerias público-privadas, corporativo-PME, corporativo-comunidade, governo-comunidade.

Todas essas parcerias tornar-se-ão importantes à medida que África procura preparar-se – e ao seu povo – para o futuro digital.

Felizmente, trabalhar juntos é uma mentalidade fortemente africana. Se pudermos traduzir com sucesso essa propensão de colaborar, no espaço das telecomunicações, usando o compartilhamento de infra-estrutura e parcerias intersectoriais, a capacitação digital do nosso povo pode muito bem ser a salvação do nosso continente.

Sharoda Rapeti, sócia não executiva da empresa de consultoria Delta Partners. Este artigo de opinião foi adaptado da sua apresentação no AfricaCom 2020.

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS