Para projectos culturais

UE disponibiliza 7,8 milhões de euros

A União Europeia (UE), por meio do projecto Procultura Palop-TL, disponibilizou 7,8 milhões de euros para projectos culturais nos Países Africanos de Língua Portuguesa (Palop) e Timor-Leste.

UE disponibiliza 7,8 milhões de euros
D.R

De acordo com uma nota, o objectivo é potenciar a criação de empregos e rendimento    sustentáveis nos sectores da música, artes cénicas e literatura infanto-juvenil.

O pacote inclui projectos de empreendedorismo nos sectores da música e artes cénicas, a realizar em um ou mais países do grupo Palop/ Timor-Leste, para financiamento entre 20 mil  e 35 mil  euros, projectos internacionais de desenvolvimento dos sectores da música e artes cénicas, envolvendo dois ou mais países do grupo Palop/ Timor-Leste, para financiamento entre 500 mil  e um milhão de euros.

Prevê ainda      projectos internacionais de desenvolvimento do sector da literatura infanto-juvenil, envolvendo dois ou mais países do grupo Palop/ Timor-Leste, para financiamento entre 300 mil  e 600 mil euros.

Conforme a organização, está aberto a entidades de direito público ou privado, com ou sem fins lucrativos, incluindo empresas, desde que constituídas ou registadas num dos países da região e Timor-Leste há pelo menos dois anos e com actividade efetiva no sector cultural.

Está, igualmente, aberta a candidaturas em parcerias, desde que um dos parceiros cumpra as condições anteriores, incluindo entidades constituídas em países da União Europeia, do grupo ACP (África, Caraíbas e Pacífico), Brasil, África do Sul e Austrália, entre outros.

 Avança que a UE e os parceiros cofinanciadores pretendem contribuir para o reforço da economia criativa e cultural nos Palop e em Timor-Leste, incentivar a profissionalização e transformação do sector cultural num vector dinâmico de desenvolvimento, emprego e inclusão, promover e favorecer a empregabilidade das mulheres e dos jovens.

O Procultura é um projecto do Programa Palop-TL UE, financiado pela UE, cofinanciado pela Fundação Calouste Gulbenkian pelo Camões.