Em Benguela

Mais de 500 mil pessoas alfabetizadas

Mais de 500 mil pessoas foram alfabetizados em Benguela, no período entre 2007 e 2019, informou nesta terça-feira, o director do Gabinete Provincial da Educação, Evaristo Calopa Mário.

Mais de 500 mil pessoas alfabetizadas
D.R

Falando em conferência de imprensa, no âmbito das actividades alusivas a semana internacional da alfabetização, que este ano tem como lema ‘Alfabetização e Educação de Adulto durante e depois da Covid-19’, disse que este ano pretendia-se alfabetizar 26 a 30 mil pessoas.

A meta era alfabetizar cerca de 17 mil pessoas (primeira fase) e esperava-se adicionar número igual na segunda fase, cujos métodos de aprendizado são “Sim eu posso”, “Gostar de ler e escrever” nos módulos 1, 2 e 3, assim como “Dom Bosco”, cientificamente ajustados ao ritmo e características psicológicas de jovens e adultos.

Evaristo Calopa referiu que, infelizmente, a média anual é de 30 mil alfabetizandos, quando se pretendia chegar aos 52 mil, o que iria em pouco tempo garantir que se trabalhe com os órgãos afins, como o Ministério da Educação, Estatística e especialistas da Unesco, para se declarar a província livre do analfabetismo.

“Temos uma população por alfabetizar na ordem de 182 mil a 200 mil cidadãos. Este é o desafio que temos pela frente e a nossa perspectiva é trabalhar no sentido de garantir que tivéssemos pelo menos cinco (5) por cento anual de alfabetizados desses cidadãos, com mais de 15 anos”, acrescentou.

O director reconhece que o desafio no domínio da alfabetização ainda é grande, lamentando por isso a redução verificada no número de alfabetizadores com direito a prémio, que era dado pelo Ministério da Educação em articulação com o das finanças.

“Inicialmente eram 1.286 alfabetizadores com direito a prémio, aos quais se acrescia os voluntários, mas até 2019 havia apenas 524 alfabetizadores por força do atraso do pagamento dos prémios, e este ano não se firmou nenhum contrato com qualquer um destes colaboradores”, lamentou o director.