Coronavírus na China

Angola assegura que nenhum bolseiro foi contaminado

O secretário de Estado para a Área Hospitalar, Leonardo Inocêncio, assegurou, esta terça-feira, que “nenhum bolseiro angolano” na China foi contaminado pelo novo coronavírus, referindo que as autoridades “estão preocupadas” e “acompanham diariamente” a evolução da situação.

Angola assegura que nenhum bolseiro foi contaminado
D.R
Leonardo Inocêncio,secretário de Estado para a Área Hospital

O representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Angola, Javier Aramburu, referiu que a situação “ainda é uma emergência global”, considerando que a vigilância ao coronavírus deve ser contínua.

“[O coronavírus] é uma preocupação grande por parte do Governo em proteger os cidadãos que estão dentro, como os nossos bolseiros a nível da China. Neste momento, não existe nenhum caso entre os nossos estudantes na China e que também é uma preocupação do embaixador da China em Angola que hoje terá uma reunião com a ministra da Saúde”, afirmou, em conferência de imprensa.

Segundo o governante, que fazia alusão às preocupações de bolseiros angolanos na China publicadas pelas redes sociais, “diariamente a embaixada de Angola na China emite um boletim sobre o estado de saúde dos estudantes angolanos” e que “nenhum foi contaminado”. O representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Angola, Javier Aramburu, referiu que a situação “ainda é uma emergência global”, considerando que a vigilância ao coronavírus deve ser contínua.

Estudantes angolanos na China, cujo número se estima ser superior a 200, reclamaram da falta de apoio da embaixada de Angola no país asiático, que enfrenta uma epidemia causada pelo novo coronavírus, desde o final do ano passado, em Wuhan.

As preocupações dos estudantes começaram a ser divulgadas através de vídeos nas redes sociais, focando a falta de alimentos, de produtos higiénicos, nomeadamente máscaras, bem como a possibilidade de retirada essencialmente da cidade de Wuhan, capital da província de Hubei (centro), o epicentro da epidemia.

 

RECOMENDAMOS

POPULARES

ÚLTIMAS