Hospital Pediátrico de Luanda só acompanha 60 crianças

Diabetes infantil pouco conhecida

Crónica, silenciosa, a diabetes também atinge crianças. Estima-se que, no mundo, cerca de 500 milhões de pessoas sofrem desta doença e, até 2045, prevê-se que vá afectar 645 milhões. Não há números oficiais em Angola, mas estima-se que afecte mais de 1 4 milhões de pessoas (5,6%) e metade delas desconhece que é portadora. Muitas crianças já começam a ser diagnosticadas com a doença.

Diabetes infantil pouco conhecida
Manuel Tomás
Carlos Faustino

Carlos Faustinomédico pediatra

Os pais devem ter muita atenção, principalmente quando a criança começa a urinar bastante, a beber muita água, a comer muito e a emagrecer.

Em Angola, não há números oficiais sobre a prevalência das diabetes. Mas estima-se que a doença afecte mais de 1,4 milhões de pessoas, cerca de seis por cento da população, sendo que, metade delas desconhece que é portadora desta enfermidade. No mundo, cerca de 500 milhões de pessoas sofrem desta doença e, até 2045, prevê-se que vá afectar 645 milhões.

Tratando-se de uma patologia silenciosa, nas crianças é quase desconhecida. No ‘David Bernardino’, o único hospital pediátrico da capital, estão em acompanhamento mais de 60 crianças, com idades compreendidas entre os oito e os 12 anos. Mas o número, segundo o pediatra e chefe de Serviço dos Cuidados Intensivos daquela instituição, poderá não condizer com a média real. “Muitas crianças não são diagnosticadas pela pouca informação na população que pensa que é uma doença só para adultos”, alerta Carlos Faustino.

Em média, são registados mensalmente entre dois e três novos casos, sendo que, em mais de 90 por cento, as crianças chegam em estado grave e com necessidade de internamento nos cuidados intensivos. “Chegam com dificuldade de respirar e, muitas vezes, quase em coma”, explica o médico, que avança que muitas delas não são diagnosticadas a tempo. Carlos Faustino acredita que algumas crianças tenham falecido de diabetes sem serem diagnosticadas.

Naquela unidade hospitalar, os casos diagnosticados são todos de diabetes do tipo 1, o mais frequente em crianças. Tratando-se de uma doença genética, muitos pais são diagnosticados após a descoberta da doença nos filhos. Por isso, o médico alerta para a necessidade de os pais estarem atentos a sinais da doença nas crianças. “Os pais devem ter muita atenção, principalmente quando a criança começa a urinar bastante, a beber muita água, a comer muito e a emagrecer”.

Sem cura, uma das formas de controlar a doença é através da aplicação de insulina. No ‘David Bernardino’, o tratamento é subvencionado pelo Estado. Aquele responsável admite que há anos, o hospital teve dificuldades no abastecimento de insulina para os doentes, mas que actualmente o problema está ultrapassado. Outras formas estão relacionadas com uma boa educação alimentar e a prática de exercícios físicos.

No caso de Luanda, o hospital ‘David Bernardino’ fornece gratuitamente injecções de insulina todos os meses aos pais de cada criança portadora da doença.

 

Por dentro

A diabetes mellitus infantil é caracterizada por uma grande concentração de glicose (açúcar) circulante no sangue, o que resulta em aumento da sede e da vontade de urinar e aumento da fome. Nas crianças, é mais frequente a diabetes do tipo 1, por causa da destruição das células do pâncreas responsáveis pela produção de insulina (hormônio responsável por transportar o açúcar para dentro das células e ficar que se acumule no sangue).

 

Cuidados com a alimentação

A alimentação para diabetes infantil deve ser dividida em seis refeições durante o dia e deve estar equilibrada com proteínas, carboidratos e gorduras, evitando alimentos ricos em açúcar. No caso da diabetes infantil do tipo 1, é recomendado, além da alimentação saudável e prática de exercícios, o uso de injecções de insulina diariamente, que deve ser feita conforme a orientação do pediatra. É importante também monitorar os níveis de glicose no sangue da criança antes e após a refeição, pois caso haja qualquer alteração é necessário ir ao pediatra para que sejam evitadas complicações.

 

Sintomas de diabetes infantil


l Aumento da fome;

l Sensação constante de sede;

l Boca seca;

l Aumento da vontade de urina, mesmo durante a noite;

l Visão embaçada;

l Cansaço excessivo;

l Sonolência;

l Falta de vontade para brincar;

l Náuseas e vómitos;

l Perda de peso;

l Infecções recorrentes;

l Irritabilidade e mudanças de humor;

l Dificuldade para compreender e aprender.