Com foco nas IES e empresas

Aberto 3.º inquérito sobre ciência, tecnologia e inovação

A ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação procedeu hoje, em Luanda, ao lançamento do 3.º Inquérito dos Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Aberto 3.º inquérito sobre ciência, tecnologia e inovação

A ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação procedeu hoje, em Luanda, ao lançamento do 3.º Inquérito dos Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação, uma iniciativa que visa aferir o grau de desenvolvimento científico e tecnológico de Angola, tendo em conta o investimento realizado, a produção neste ramo e a integração na sociedade dos resultados obtidos.  Maria do Rosário Sambo espera que, com esta campanha, se possa recolher os indicadores da investigação científica feita nas instituições de ensino superior (IES) e empresas, apelando, por isso, a que os inqueridos preencham correctamente as fichas e forneçam dados verdadeiros para permitir conclusões “mais assertivas” sobre as potencialidades do país.

Organizado pela primeira vez em 2013, cobrindo o período 2011-2012,o Inquérito dos Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação é dividido em duas categorias: uma sobre a investigação científica e desenvolvimento experimental, em que se mede como se faz investigação científica nas IES e nos centros de investigação; e outra sobre inovação, dirigida a empresas públicas ou privadas, com vista a avaliar, em termos estatísticos, a inovação do ponto de vista de produção, organização e de marketing.

Dados 1º inquérito, há cerca de seis anos, permitiram referenciar 259 investigadores científicos, que funcionam nas Instituições de Investigação e Desenvolvimento (ICD), também conhecidas como centros de investigação. Nas universidades, registavam-se 1.223 investigadores para o país todo, números que o Estado considera “exíguos”, comparativamente aos países vizinhos, com a África do Sul ou a Namíbia.